20 de setembro de 2012

O sarcófago de Tutancâmon

Certa vez, Renata conheceu uma menina que era muito curiosa, seu nome era Najla. Ela foi morar ao lado de sua casa, sendo assim, os pais de Renata foram recebê-la.
Num certo dia, Renata chamou Najla para brincar, ela lhe contou que em sua casa descobriu um lugar no porão, mas não teve coragem para entrar e que mesmo assim estava morrendo de curiosidade. Ouvindo tudo isso, Renata teve a ideia de irem juntas para lá, meio com dúvida porque nunca tinha ouvido falar naquele lugar estranho no porão da casa de Najla.
E lá foram as duas. Quando estavam chegando lá, Renata lembrou que o antigo dono, o senhor Nadhiel, era fascinado pelo Egito, mas nunca tivera visto nada dentro da casa sobre tal assunto. Nesse momento, Najla avisou Renata que tinham chegado. Esta tomou um susto, pois na parede do porão estava pintado com muita nitidez Osíris, o deus da morte, além de vários sinais que pareciam hieróglifos, mas que elas não entendiam. Assim, se entreolhando, Najla perguntou para Renata se ela teria um livro sobre o assunto. Como a responta foi afirmativa, as duas correram para a casa de Renata para procurar o livro. No dia seguinte, elas estariam na tal sala secreta.
Finalmente, o dia tão esperado chegou: o dia de entrar na sala. As duas se encontraram na rua e correram para o porão. Abrindo o livro, Renata lia com cuidado cada palavra, cujo significado correspondente era como se fosse um quebra-cabeça. Ao terminarem, desvendaram o mistério: “Se quiserem entrar nesta câmara, aperte o abrir, em seguida o confiar, então ela se abrirá”.
E foi exatamente o que elas fizeram: apertaram o abrir e o confiar. De repente, algo se abriu e avistaram uma câmara. Renata quase caiu dura no chão, pois lá estava a lendária tumba de Tutancâmon, toda coberta de ouro e pedras preciosas. Além disso, a sala estava cheia de hieróglifos.
Najla, olhando tudo aquilo, logo foi abrindo a tumba e... surpresa!, lá estava mumificado o senhor Nadhiel. Nesse momento, Renata disse que não foi à toa que tudo estava lá sem ninguém ter roubado e ainda acrescentou que achava que nem mesmo a mulher dele sabia daquilo. Najla, em seguida, pegou o celular e ligou para a polícia e para o museu relatando sobre toda a descoberta.
Assim, no outro dia, Najla e Renata foram chamadas à delegacia e, em seguida, recompensadas pelo museu pela bela descoberta de todos os mistérios. Também foram informadas que o sarcófago de Tutancâmon fora enviado para Paris, na França, e que todos estavam agradecidos.

(OLIVEIRA, Kassy Mary Kakuhama; 11 anos)

________________________________________________________________________________
Esse é o último texto furtado do livro Noite e Dia Prosa e Poesia. Espero que tenham gostado de todo esse tempo de textos de escritores desconhecidos do público.
Veja todas as publicações selecionadas deste livro neste link.
Compartilhe:
 

Furtando Textos ₢ 2012-2013 Template por Template Para Blogspot customizado por Gui Spigolan